בס”ד

Para que abençoar o alimento que comemos?
Segundo o Judaísmo é um dever abençoar a D-us pelos alimentos antes de ingerirmos. Porque não podemos simplesmente atacar as refeições? Afinal, já pagamos por ela e não devemos mais nada a ninguém!

[Nem] Comer no judaísmo é fácil, antes (de quase tudo) que você for comer, H”S deve ser abençoado, por vezes, depende da quantidade de alimento que for ingerir, e de acordo com quantidade, intenção, situação a bênção muda. Se você for ingerir pão, deve abluir as mãos antes e depois. Além de que devemos estar preparados para poder abençoar a respectiva brachá para cada alimento, se for comer Banana, dizer a brachá “Boré pro Adamah”, mas se for comer um cogumelo, a brachá seria “Shehakol”, Apesar de mesmo não sabendo todas as regras que regem o tema, ainda assim devemos abençoar. Porque nos é obrigado abençoar, não seria mais fácil comer e pronto!?

Todas as coisas que crescem e vivem no mundo não pertencem a nós Rav Eli Amar ensina: “colocamos um pequeno pedaço de matéria seca e decomposta no chão, e a partir dela cresce de uma pequena plantinha a uma grande árvore, com uma incontável variedade de frutos, com cores, sabores e aromas diferentes, o mínimo ao observar isso, da nossa parte seria dizer : “Obrigado Senhor do Mundo por nos ter concebido isto”. devemos nos educar a ser sempre gratos pelos alimentos que recebemos, para que possamos reconhecer de quem recebemos.”

Rav Yitschak Gabai destaca a questão de auto controle sobre nosso instinto. Um homem que não controla seus instintos é como um animal. Ao chegar em casa com fome, e antes de comer, você para e abençoa, é uma ferramenta para controlar seus instintos naturais, pois ao invés de desesperar-se pela comida, você age de forma ponderada.

O Rav Pinchas Badush, nos elucida com base em contraposição de dois passukim (versículos):
Há um verso que diz “De H”S é a terra e a sua plenitude, o mundo e seus habitantes.” e outro verso que diz “Os céus são os céus de H”S; mas a terra a deu aos filhos dos homens.” Espere um momento, não parece um pouco contraditório? De H”S é a terra ou ele a deu aos seres humanos? O Talmud nos ensina, que antes de abençoarmos os alimentos, eles pertencem a HKB”H, e depois que abençoamos, eles pertencem a nós. Seria se tudo fosse posse de H”S e ao abençoarmos, pedíssemos permissão para usufruto. O Talmud declara que uma pessoa que se alimenta sem abençoar, rouba ao criador, pois leva a comida sem pedir permissão ou agradecer.

Após ganharmos nosso salário com todo o esforço que nos coube, vamos à uma quitanda, compramos nossas frutas, que foram compradas de um distribuidor, que foram compradas de um fazendeiro, que lavrou a terra e as produziu. Mas a fonte que concebeu vida a tudo, é outra. Nós nascemos em um mundo pronto, e quando partirmos ele ficará para as próximas gerações, então em que momento poderíamos dizer que de fato algo nos pertence? Na verdade esta terra tem um Dono, e dele aprendemos o caminho a seguir. Nos concebeu a vida e assim devemos abençoa-lo por todas as vezes que venhamos a desfrutar de algo. Todas as bênçãos que desfrutamos de algo, são formadas por nove palavras, para nos lembrar que não somos completos, e somos somente visitantes aqui convidados pelo “dono da casa”.
[A bênção sobre o pão é uma exceção sobre as demais bênçãos por conter 10 palavras].

A origem da obrigação de abençoar é com base em um verso da Torah (Devarim 9:10)  “E comerás e te fartarás e bendirás ó Eterno, teu D’us, pela boa terra que Ele te deu”. entendemos que esta bênção se refere ao pão, ou seja, esta ordem de abençoar, o Birkat Hamazon, é um mandamento da Torah, de igual importância com “lembra-te do Shabat” ou “Jejuar em Kipur”.

A obrigação de dizermos 100 bênçãos por dia são extraídas deste texto:
“Agora, pois, ó Israel, que é que o Senhor teu Deus pede de ti, senão que temas o Senhor teu Deus, que andes em todos os seus caminhos, e o ames, e sirvas ao Senhor teu Deus com todo o teu coração e com toda a tua alma,” Dt10
ועתה ישראל–מה יהוה אלהיך שאל מעמך
Este e o texto mais prõximo do Hebraico:
E agora israel Mah (o que?) não leiam Mah, mas sim Meah (cem) , ficando assim o texto:
E agora Israel cem (bênçãos) o Eterno teu deus pede de ti, para que assim, temas o Eterno teu Deus, andes…..
As Bênçãos tem um caráter educativo e que levam à devoção, assim levando-nos a alcançar o solicitado no verso acima. Desta maneira, não entendam Brachot como costume e sim como Halachá, extraída por Pilpul (dedução textual).
Portanto não há duvida que abençoar ao Eterno seja um mandamento Deoraita (Da Torah). apesar de não haver na Torá a composição dos textos das Brachot, e assim, posteriormente foram acrescidas bênçãos Derabanam para que se implementasse a Mitsvah.

 

As Bênçãos alimentares são divididas em duas categorias: Anteriores e Posteriores.

Bênçãos anteriores

Todas as Brachot Iniciam de igual maneira: “Baruch Atah Adonay Eloheinu Melech Haolam, (……..)”

Hamotsi Lechem min haÁrets
Sobre Pão e alimentos a base de Farinha e água.

Boré Minei Mezonot
Sobre alimentos compostos de diversos tipos cereais.

Shehakol Nihiá Bidvarô
Leite, Carne, Produtos Industrializados, balas, chocolate, etc. Bebidas em geral.

Boré Pri Haets
Sobre frutos de árvores.

Boré Pri haAdamah
Sobre Legumes, verduras, banana.

Boré Pri haGuefen
Para beber Suco de Uva ou Vinho
Bênçãos Posteriores

BIRKAT HAMAZON
Bênção após comermos refeição com pão.

Meein Shalosh
Após comermos alimentos cereais, suco de uva, ou qualquer alimento com base nas 7 Espécies que a Terra de Israel é conhecida.

Boré Nefashot
Todos os alimentos que não se enquadram nas duas anteriores.

NÃO SE ABENÇOA SOBRE:
Água se não estiver com sede,
Remédios,
Alimentos Fitness.
Alimentos desagradaveis.

[continua]

Veja o quadro de brachot respectivas aos alimentos aqui:
https://dvartorahblog.wordpress.com/2016/06/22/lista-de-brachot-para-alimentos/

Veja as Brachot individuais ilustradas aqui:
https://dvartorahblog.wordpress.com/2016/06/20/brachot-para-imprimir/

Rav Y. Lopes