Sobre a Criação em apenas seis dias, existem formas científicas de resolver a questão. A partir das observações de Edwin Hubble em 1929, considera-se que o universo está em constante expansão. Isso significa que os objetos estavam no passado mais próximos uns dos outros, e mesmo em um momento, supostamente cerca de quinze bilhões de anos atrás, quando a densidade do universo era infinita, tudo estava exatamente no mesmo lugar.

A partir disto, pode-se deduzir que, quando o universo era infinitesimalmente pequeno e infinitamente denso, houve um Big Bang a partir do qual tudo derivava. Este Big Bang é eminentemente compatível com a Criação.

Einstein demonstrou a relatividade do tempo, cujo fluxo é mais lento à medida que a gravidade aumenta em um determinado local. Ao comparar para um sistema de baixa gravidade de um sistema de alta gravidade, a imagem parece um vídeo de alta velocidade. Se você imaginar a possibilidade de olhar o universo inteiro do lado de fora, como um sistema fechado, devemos considerar que a massa total é de 1056 gramas e o raio é de dez bilhões de anos-luz. Um físico nuclear no Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Gerald Schroeder, teve o trabalho de fazer os cálculos relevantes e concluiu que observando a abrangência de todo o universo experimentar-se-ia o campo gravitacional produzido pela massa total e esse tempo flui um trilhão de vezes mais devagar do que na Terra.

Portanto, essa observância sobre o universo a partir de sua “borda”, veria apenas um minuto passar, enquanto a Terra passaria um milhão. E isso reduz os 15 bilhões de anos para … seis dias.

Em outras palavras, enquanto que para os relógios que atuam no atual potencial gravitacional, passam bilhões de anos, para um sistema que inclui todo o Universo, seria apenas seis dias. Essa seria a perspectiva de um Criador Infinito. Ou como o Salmo 90 diz: “Mil anos são antes de ti como uma noite fugaz”. Os seis dias de Gênesis são em dias divinos, e, portanto, a Torá tem uma maneira diferente de se referir ao tempo seja antes de Adão ou depois dele. Os dias divinos são uma coisa, e outra é a nossa experiência temporal.

Os primeiros trinta versos da Bíblia descrevem os quinze milhões de milênios da história cósmica, começando com a criação do único elemento do universo com estabilidade invencível – luz e sua velocidade. Este “primeiro componente” da natureza não é o único que é expressamente mencionado ao ser provado. Nas outras seis vezes “e Deus viu que é bom” em termos gerais; com respeito ao parâmetro inicial “e Deus viu que a luz era boa”.

De todos os antigos relatos da Criação, apenas o da civilização hebraica permite o escrutínio de uma abordagem científica. Ou em termos de Rambam, os supostos conflitos entre a ciência e a Bíblia podem surgir tanto da falta de conhecimento científico quanto de uma interpretação defeituosa do Livro dos Livros.